quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Instituição do Ministério da Saúde financia filme pró-aborto

O aborto é uma prática ilegal no Brasil, mas mesmo assim o Ministério da Saúde não teve escrúpulos em gastar dinheiro público para a apologia desse crime.

Conforme notícia divulgada pelo site Globo.com, a Fiocruz (Fundação Osvaldo Cruz), instituição vinculada ao Ministério da Saúde, financiou com R$ 80 mil a filmagem do documentário pró-aborto "O fim do silêncio".

O filme contém depoimentos de mulheres que fizeram o aborto e defendem a descriminalização da prática.

A cineasta Thereza Jessouroun, responsável pelo documentário, diz, ter inspirado o roteiro em declarações favoráveis ao aborto do ministro da Saúde, José Gomes Temporão.

A diretoria da Fiocruz, escolhida pelo próprio ministro da saúde, disse que a instituição deve estar aberta à polêmica.

Recursos públicos, colhidos com pesados impostos, estão sendo gastos em filmes contrários a convicção moral da população brasileira - majoritariamente contrária ao aborto.

7 comentários:

Anônimo disse...

COMO TUDO NO GOVERNO GIRA EM TORNO DO DESCASO,ABUSO DE PODER E APROPRIAÇÃO E UTILIZAÇÃO INDEVIDA DO DINHEIRO PÚBLICO.ESSE MINISTRO QUE EU NÃO FAÇO QUESTÃO NENHUMA DE CITAR O NOME DELE,POIS NÃO VIRIA A ACRESCENTAR NADA AO MEU CONHECIMENTO, VOCABULÁRIO E MUITO MENOS A MINHA DIGNIDADE,NÃO PASSA INFELIZMENTE DE UMA MARIONETE,DANÇANDO E SE MOVIMENTANDO AOS ACORDES E DETERMINAÇÕES DE GRANDES EMPRESAS E ENTIDADES QUE SE FAVORECEM COM ESSA DISCRIMINALIZAÇÃO SE FOR APROVADA,OU SEJA O ABORTO,O TRÁFICO DE ORGÃOS E OUTRAS COISAS QUE MUITAS PESSOAS CONHECEM É ALGO SUPER RENTÁVEL.

Nessa disse...

acho que o governo, por ser entidade pública, tem que dar visibilidade a todas as opiniões. então, pra mim, tudo bem isso aí.

Mário Sérgio disse...

Gastar dinheiro público para dar visibilidade e fazer apologia de crime não é papel de governo nem de entidade pública...
Existem pessoas que não compreendem o papel de governo e não sabe o que é e para que servem as entidades públicas.

Carol disse...

Prezados,
Acho melhor mudar o link para que as pessoas possam votar na enquete.
O link disponível não dá acesso à página de cadastro ao jornal. Tentei votar e vi que o resultado da pesquisa não se alterava.
Sugiro que coloquem o link da reportagem, que contem o link para a enquete e de lá as pesoas podem fazer o cadastro no site.
Caso contrário, as pessoas vão votar e seus votos não serão computados.
Segue o link sugerido:
http://oglobo.globo.com/pais/mat/2009/01/04/filme-reacende-polemica-em-torno-do-aborto-587883773.asp
Atenciosamente, Carolina.

Mara Rúbia disse...

Infelizmente existem mulheres como a cineasta Thereza Jessouroun que dedica seu tempo em cortejar idéias tão desumanas. Só me resta lastimar pela parceria do governo, como também pelo Brasil caso este plano tenha êxito.

Anônimo disse...

O aborto só é ilegal por questões religiosas. Lembro que também foram questões religiosas que levaram a enforcamentos, queima de hereges e tráfico de escravos.

Podemos fazer como os árabes, e institucionalizar a religião, com prejuízo a todos, ou liberar a prática religiosa aos religiosos. O aborto vai ser discriminalizado, mas pratica quem quiser. Não é coerente querer impor a visão de mundo de um grupo a todo o país.

Anônimo disse...

TODOS OS ANIMAIS DEFENDEM SUAS CRIAS. SER HUMANO É O ÚNICO SER INTELIGENTE...E QUER MATA=LOS.
'NÃO PENSAM QUE, ANTES, É UM PRESENTE DE DEUS'.
E SENDO ASSIM DEVERIA SER AGRADECIDO E DEFENDIDO COM A PROPRIA VIDA.
POBRES INFELIZES, QUE NÃO PENSAM NO FUTURO DELES PRÓPRIOS,NÃO COMPARAM O PODER DO CRIADOR, DIANTE DE TAMANHA PROVA DE FALTA DE CONFIANÇA DAS CRIATURAS.
PAI E MÃE É UMA MISSÃO, ESPERADA POR DEUS.
PARA ALGUNS, FALIDA POR MEROS PROBLEMAS MATERIAS.

OBSERVAM A NATUREZA, A HARMONIA UNIVERSAL, E PENSAM SER MAIORES...

Antonio Luiz Dallaqua
antoniodallaqua@professor.sp.gov.br